News

Explicado: Eleições na União Europeia e ascensão de partidos de extrema direita

O maior perdedor das eleições foi Macron, depois de o seu partido liberal ter recebido uma surra.

Bruxelas:

Os partidos de extrema-direita obtiveram ganhos impressionantes nas eleições da União Europeia no domingo, enquanto os perdedores finais foram o presidente francês Emmanuel Macron – e os Verdes.

Aqui estão cinco conclusões da votação que viu os grupos políticos centristas da Europa emergirem relativamente ilesos e com uma participação superior à de 2019 entre os 27 estados do bloco.

Extrema direita à frente

Os partidos de extrema-direita da Europa foram vencedores em muitos lugares, vencendo em França, Itália e Áustria, enquanto a AfD da Alemanha ficou em segundo lugar – mas ainda à frente do partido SPD do chanceler Olaf Scholz – e a extrema-direita também se saiu bem no Holanda.

Mas os especialistas alertaram contra a leitura excessiva do seu sucesso.

“A extrema direita teve um bom desempenho, mas não excelente – não esqueçamos que estas são eleições de segunda ordem”, disse Francesco Nicoli, pesquisador visitante do think tank Bruegel.

“Não podemos dizer que este é um impulso muito, muito significativo no estado atual das coisas”, disse Christine Verger, vice-presidente do think tank Jacques Delors. “Pode haver movimentos dentro dos grupos políticos. Não sabemos onde irão parar alguns eurodeputados.”

Uma grande questão que se levanta é se dois principais grupos de extrema-direita no parlamento – Identidade e Democracia (ID) e os Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) – podem unir-se, criando um supergrupo.

Verger rejeitou essa ideia imediatamente.

“Não acredito absolutamente numa unificação, está fora de questão a fusão do ID e do ECR”, disse ela à AFP.

O ECR inclui a primeira-ministra italiana de extrema direita, Giorgia Meloni, cujo partido Irmãos da Itália ficou em primeiro lugar nas eleições.

Quanto ao provável impacto da extrema direita na legislação do Parlamento Europeu, os especialistas pareciam otimistas.

“O número crescente de eurodeputados de extrema-direita terá provavelmente apenas um impacto limitado na UE”, previu a especialista Marta Lorimer. “Eles não formam uma minoria bloqueadora.”

Macron mais fraco

O maior perdedor das eleições foi Macron, depois de o seu partido liberal ter sido derrotado pelo Comício Nacional francês liderado por Marine Le Pen.

O presidente francês respondeu dissolvendo rapidamente o parlamento nacional francês e apelando à realização de eleições antecipadas.

“A França continua a ser um país grande, com um presidente que tem muito poder”, disse Verger.

Como chefe de um importante Estado-Membro da UE, Macron continuará a ser um ator importante no cenário europeu.

Mas ela disse que o fraco desempenho eleitoral do seu partido Renascentista o faria “perder alguma influência” dentro do grupo Renew ao qual pertence, e no parlamento em geral.

Retorno de Von der Leyen

Os analistas concordaram que foi uma noite muito boa para a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que espera garantir um segundo mandato de cinco anos após a votação.

Ela precisará do apoio dos 27 líderes da UE e do novo parlamento – e neste último aspecto os dados sugerem que von der Leyen pode respirar aliviada.

O seu partido, o Partido Popular Europeu (PPE), continua a ser o maior grupo do parlamento e os especialistas previram que ela conseguiria os votos adicionais de que necessita.

Com base nos resultados preliminares, Nicoli disse que poderia contar com o apoio dos Socialistas e Democratas “com uma escolha entre liberais, ECR e Verdes como parceiro júnior” – e poderia lidar com 20 deserções ou mais em cada cenário.

“Acho que as eleições poderiam ter sido piores para ela.”

Verduras murchas

Foi uma noite decepcionante para o grupo político dos Verdes, que está em vias de perder cerca de 20 legisladores da UE – num resultado que não surpreendeu.

“Os verdes são os claros perdedores, assim como Macron, mas, mais uma vez, estas eram tendências claramente evidentes antes”, disse Nicoli.

As preocupações europeias com a segurança e o custo de vida após a eclosão da guerra na Ucrânia em 2022, e outras questões, incluindo a migração, substituíram o ambiente como uma preocupação dos eleitores.

“Os Verdes não estão muito bem posicionados para responder a essas exigências”, acrescentou Nicoli.

E por toda a Europa, os opositores de direita conseguiram canalizar o descontentamento para a raiva face à pressão ambiental da UE nos últimos anos.

Mas o legislador dos Verdes na UE, Bas Eickhout, viu os resultados como uma “mistura” – e “um pouco mais matizada do que apenas dizer que é uma grande perda”.

Salientou o sucesso dos Verdes nos Países Baixos e em Espanha, bem como nos países mais pequenos do Norte e do Báltico, incluindo a Dinamarca e a Lituânia.

Maior participação

Cerca de 360 ​​milhões de pessoas puderam votar nas eleições e, em boas notícias, a participação foi a mais elevada em 20 anos, cerca de 51 por cento, de acordo com dados provisórios da UE.

“A boa notícia para a democracia é que a participação parece provavelmente superior a metade do eleitorado, embora ainda seja inferior às taxas de participação nas eleições nacionais, e muito baixa em países como a Eslováquia e a Lituânia”, disse Heather Grabbe, investigadora sénior em Bruegel.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button