News

Giorgia Meloni, de extrema direita italiana, sai mais forte da votação na UE

O partido de extrema-direita de Giorgia Meloni obteve uma vitória decisiva nas eleições europeias em Itália, mostraram os resultados quase finais na segunda-feira – tornando-a num dos poucos líderes da UE a emergir mais forte após a votação.

“É um resultado retumbante”, disse Meloni na segunda-feira sobre os ganhos obtidos pelo seu partido Irmãos da Itália, apesar de uma participação historicamente baixa de 49,69 por cento.

“É muito importante politicamente e também pessoalmente”, disse ela à rádio Rtl, notando que noutras partes da Europa os partidos governantes sofreram nas sondagens.

“A Itália está indo completamente contra a tendência”, disse ela.

Com mais de 99 por cento de todos os votos contados na segunda-feira, o partido pós-fascista de Meloni obteve 28,81 por cento dos votos – superando os 26 por cento recebidos nas eleições nacionais de Setembro de 2022.

Meloni apresentou as eleições do fim de semana para o Parlamento Europeu como um referendo sobre a sua liderança, pedindo aos eleitores que escrevessem “Giorgia” nas suas cédulas.

Falando na segunda-feira, ela disse estar “extraordinariamente orgulhosa” do resultado, ocorrido poucos dias antes de receber os líderes do G7 na Apúlia.

“Estou orgulhosa de que esta nação se apresente no G7 e na Europa com o governo mais forte de todos”, disse ela.

O resultado é uma reversão notável em relação às eleições europeias de 2019, quando o partido então marginal de Meloni obteve apenas 6% dos votos.

Em contrapartida, foi uma noite difícil para vários outros líderes da UE, nomeadamente o francês Emmanuel Macron, que convocou eleições legislativas antecipadas depois da sua aliança centrista ter sido derrotada pelo Rally Nacional, de extrema-direita, de Marine Le Pen.

A coligação do chanceler alemão Olaf Scholz também sofreu uma derrota contundente, enquanto os socialistas do primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez foram derrotados pelo Partido Popular de direita.

'Força política'

Todos os olhos estarão agora voltados para o que Meloni fará com a sua crescente influência em Bruxelas.

Ela foi cortejada tanto por Ursula von der Leyen, do grupo PPE de centro-direita – que disputa um segundo mandato à frente da poderosa Comissão Europeia – como por Le Pen.

“Em poucas horas Giorgia Meloni poderá ser o primeiro-ministro mais bem posicionado em termos de força política na UE”, observou Lorenzo Castellani, analista político da Universidade LUISS de Roma, no X à medida que os resultados chegavam.

Durante a campanha, Meloni disse que queria liderar uma vitória da extrema direita na Europa, semelhante ao que fez na Itália.

Mas existem tensões entre ela e Le Pen, que têm assento em diferentes grupos no Parlamento Europeu.

“Não creio que Meloni queira voltar a trabalhar com gente como Le Pen”, disse Daniele Albertazzi, codiretora do think tank Centro para a Grã-Bretanha e a Europa.

“Ela terá menos eurodeputados do que Le Pen, mas é primeira-ministra.”

“Acho que ela continuará tentando agora jogar o jogo com os grandes e se concentrar no PPE” – e nas negociações para o próximo chefe da Comissão Europeia, disse ele à AFP.

Desde que assumiu o cargo, há 15 meses, à frente do governo italiano mais direitista desde a Segunda Guerra Mundial, Meloni tem mantido um cuidadoso equilíbrio político.

Ela fez campanha com a promessa de restaurar o orgulho nacional da Itália e impulsionar a economia, proteger a cultura cristã do país e os valores familiares tradicionais e reduzir a imigração ilegal.

Mas apesar de criticar a “superestrutura” da UE, ela também trabalhou em estreita colaboração com von der Leyen e ganhou apoio em Washington pelo seu forte apoio à Ucrânia.

Meloni saudou o sucesso de todo o seu governo na votação, mas o seu parceiro júnior de coligação, o partido de extrema-direita e anti-imigração de Matteo Salvini, viu o seu apoio cair.

Salvini triunfou com 34 por cento nas eleições para o Parlamento Europeu em 2019, mas desde então foi eclipsado por Meloni, obtendo desta vez apenas 9,0 por cento dos votos.

O líder da Liga também foi superado pelo Forza Italia, o partido de direita fundado pelo falecido ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, que teve uma participação de 9,62 por cento.

Por outro lado, foi uma boa noite para a principal oposição de Meloni, o Partido Democrático, de centro-esquerda, que obteve 24,08% dos votos – acima das expectativas.

O Movimento Cinco Estrelas do ex-primeiro-ministro Giuseppe Conte ficou com 9,99%.

Meloni concorreu ela própria às eleições, mas não assumirá o seu lugar, pois ser deputada ao Parlamento Europeu é incompatível com um cargo político nacional.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button